Abrir menu principal

O Livro de Esopo/Batalha entre as aves e as animalias

O Livro de Esopo por Esopo
XXX - Batalha entre as aves e as animalias
Transcrição e Notas de Leite de Vasconcelos. Vid. também As Aves e o Morcego, traduzida por Manuel Mendes da Vidigueira.


XXX. [Batalha entre as aves e as animalias]

       [Fl. 21-v.][E]m este emxemplo este poeta nos amostra e diz que foi hũa gram batalha antre as aues e animal[i]as[1], e foy assignado hũu dia çerto, que d’anbalas partes viessem aa batalha. A aguia ordenou ssuas aazes, ssegundo vio que conpria; o leam outrosy as ssuas.

Postas as aazes d’anbalas partes, o morçeguo, que vio tanta multidom d’animalias, e que dauam tam grandes vozes, ouue gram temor, e partio-sse das aues, e nom quis teer da hũa parte nem da outra.

Em esto foy fecta a batalha muyto cruell; e d’anbalas partes forom muytos mortos e feridos. Finalmente as aues vençerom por ssuas ligeyriçes, e pella[2] gram vertude da aguya, que ssoube muy bem hor/       [Fl. 22-r.]denar ssuas aazes.

Depois que todas forom assenbradas, e a batalha vençida, foy dicto aa aguia que o morçeguo fezera treyçom e fugira e leixára sseu senhor no campo: a agia o fez chamar, e[3] ssabida a verdade, feze-o todo depenar, e mandou-lhe que nom voasse ssenom de noute, por pena do mal que ffezera.





Per este emxemplo este doutor nos amostra e diz que nom he boo uassalo nem fiell amiguo aquell que ao tempo da neçessidade[4] leixa sseu ssenhor no priigo[5] e foge, ca o homem nom pode bem sseruyr a[6] dous senhores; e tal como este mereçe de auer mall e pena de treedor, porque desenpara sseu senhor, estreuendo-sse em ell, e lhe foge.

NotasEditar

  1. No ms. animalas, mas noutro passo, logo abaixo, animalias.
  2. No ms. plla com os ll cortados.
  3. Antes de se escrever e, escreveu-se outra lettra que foi riscada.
  4. Aqui estão riscados dois ss. O amanuense ia a escrever sseu.
  5. No ms. prijgo.
  6. Aqui estão riscados dois ss, principio de ssenhores, que se segue.