Página:40 anos no interior do Brasil.pdf/46

46 | 40 anos no interior do Brasil: aventuras de um engenheiro ferroviário

pesca e são privados cada vez mais de suas terras, eles se extinguirão aos poucos. Culturalmente, os Botocudos estão em um nível muito baixo, mas como caçadores são inigualáveis. Ele segue um rastro tão seguro quanto um cão de caça, vê como um falcão, fareja a fumaça de um charuto a centenas de metros, monta armadilhas com muita habilidade, armando armadilhas de lobo para apanhar animais e pessoas.

Essas armadilhas de lobo, chamadas forjas, ele faz hoje para talvez utilizar daqui a um ano, quando for perseguido; ele trabalha, por assim dizer, com previsão. Usualmente, cava uma grande cova de 1,5m de diâmetro por 3m de profundidade, que pode ser aprofundada, e assim que o corpo cai, morre espetado nas estacas endurecidas pelo fogo, as quais apontam do fundo para cima da cova. Essa cova principal encontra-se no meio do caminho, enquanto em ambos os lados há pequenas covas com as já descritas pontiagudas estacas em formato de tabuleiro de xadrez. Uma cobertura de taquaras é colocada sobre os buracos, folhas são espalhadas e cada pista é disfarçada. A natureza faz o restante, ao espalhar folhas secas no decorrer de semanas e meses, de modo que não se suspeita mais do perigo à espreita.

Se os Botocudos saqueassem os colonos e se sentissem perseguidos, iam com predileção por esses caminhos meio esburacados sobre as forjas, pelos quais avançavam com tanta maestria, que o perseguidor não suspeitava de nada. Mas se o homem à frente do perseguidor caísse na cova principal, então ele gritava involuntariamente, de modo que os sucessores, que sempre precisavam marchar um atrás do outro, se assustavam e pulavam para o lado, para caírem em outra cova. Logo, os buracos eram feitos com extrema astúcia e testemunhavam um cálculo muito preciso e uma inacreditável ardilosidade.

No ano de 1887, fui fazer uma grande medição de terras distante de todos os locais habitados por humanos. Dentre meus funcionários, encontravam-se filhos de diversos colonos alemães. Naturalmente, não havia serviços regulares de correio, e apenas recebíamos notícias do resto do mundo quando um mensageiro era enviado por algum motivo ou quando