Página:Broqueis.pdf/40



Canta e te alaga e se derrama e alaga...
N'um rio de ouro, iriante, se propaga
Na tua carne alabastrina e pura.

Scintill e canta, na canção das côres,
Na hamonia dos astros sonhadôres,
A Canção immortal da Formosura !