Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/183

175
ESPUMAS FLUCTUANTES


7* SOMBRA

DULCE

Se houvesse ainda talisman bemdicto,
Que desse ao pântano — a corrente pura,
Musgo — ao rochedo, festa — á sepultura,
Das águias negras — harmonia ao grito....

Se alguém pudesse ao infeliz precito
Darlogar no banquete da ventura...
E trocar-lhe o velar da insomnia escur >
No poema dos beijos — infinito....

Certo... serias tu, donzella casta,

Quem me tomasse em meio do Calvário

A cruz de angustias que o meu ser arrasta!..

Mas se tudo recusa-ine o fatlario,
Na hora de expirar, ó Dulce, basta
Morrer beijando a cruz de teu rosário!...

8* SOMBRA

ULTIMO FANTASMA

Quem és tu, quem és tu, vulto gracioso
Que te elevas da noite na orvalhada!