Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/52

44
ESPUMAS FLUCTUANTES

Como que Deus baixa á terra
Sem mesmo descer dos céos.
É que essas lousas rasteiras
São — gigantes cordilheiras
Do Senhor aos olhos nús.
É que essas brancas ossadas
São — columnas arrojadas
Dos infinitos azues.

Sim! Quando o tempo entre os dedos
Quebra um sec′lo, uma nação...
Encontra nomes tão grandes
Que não lhe cabem na mão!...
Heróes! Como o cedro augusto
Campêa rijo e vetusto
Dos sec′los ao perpassar,
Vós sois os cedros da historia,
A cuja sombra de gloria
Vai-se o Brasil abrigar.

E nós que somos faiscas
Da luz desses arrebóes,
Nós, que somos borboletas
— Das chrysalidas de avós,
Nós, que entre as bagas dos cantos,
Por entre as gottas dos prantos
Inda os sabemos chorar,
Podemos dizer: — «Das campas