Uma Viagem à Abissínia (Salt)


 


 
UMA
 
VIAGEM À ABISSÍNIA.
 


 


Map of part of Abyssinia.jpg



UMA


VIAGEM À ABISSÍNIA,

E

INCURSÕES

AO INTERIOR DAQUELE PAÍS,

REALIZADAS SOB AS ORDENS DO GOVERNO BRITÂNICO,

Nos anos de 1809 e 1810;

EM QUE ESTÃO INCLUÍDOS,

UM RELATO DE ASSENTAMENTOS PORTUGUESES
DA COSTA LESTE DA ÁFRICA,


VISITADOS NO CURSO DA VIAGEM;

UMA NARRATIVA CONCISA DOS ÚLTIMOS EVENTOS
NA ARÁBIA FELIZ;


E

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS COM RELAÇÃO ÀS TRIBOS ABORÍGENES
AFRICANAS, DESDE MOÇAMBIQUE ATÉ AS
FRONTEIRAS DO EGITO;

ACOMPANHADOS COM

VOCABULÁRIOS DAS RESPECTIVAS LÍNGUAS.

ILUSTRADO COM
UM MAPA DA ABISSÍNIA.




POR HENRY SALT, ESQ. F. R. S. &c.}}




Providentiam divinam summis laudibus celebrandam quod inter tot barbaros, inter tot Muhammedanorum persecutiones Ecclesiam Æthiopicam in Africa per tot secula conservaverit.
—— Discurso de Ernest Duke da Saxônia ao Padre Gregory. Vide comentário de Ludolfi.




PUBLICADO POR M. CAREY, FILADELFIA,
E WELLS & LILLY, BOSTON.

IMPRESSO POR LYDIA R. BAILEY.



1816.



PARA


SUA ALTEZA REAL

O PRÍNCIPE REGENTE.

Senhor,

Dentre as diferentes atribuições às quais os homens dedicaram seu tempo, nenhuma busca pode estabelecer talvez uma reivindicação mais justa do favor público do que as do viajante, em virtude de seus esforços serem geralmente direcionados a estabelecer uma conexão mais íntima com países distantes; ampliando assim os limites do conhecimento, promovendo os interesses do comércio e tendendo, em alto grau, a melhorar a condição geral da humanidade. O desejo que Sua Alteza Real evidenciou ao encorajar empreendimentos semelhantes, bem como para apadrinhar os vários ramos da literatura polida, merece em toda sua extensão a admiração do público, como indivíduo que já experimentou sua condescendência e atenção liberal para com seus pontos de vista, peço permissão para expressar meus sinceros agradecimentos, dedicando este volume a Sua Alteza Real. Deveria conseguir atrair sua atenção para o presente estado abandonado e distraído da Abissínia, na medida em que induzir Sua Alteza Real a promover o bem-estar desse país, pela introdução de artes úteis em conjunto com um avanço judicioso dos verdadeiros dogmas da religião cristã entre seus habitantes, sentirei que meus esforços nesta causa não foram em vão; e, entretanto, como a melhor recompensa dos meus trabalhos, continuarei a esperar a consoladora esperança de testemunhar as benéficas Mudanças que a recompensa e a sabedoria deSua Alteza Real podem afetar a condição daquele país remoto.

Tenho a honra de ser,

com profunda veneração e respeito,
SENHOR,
SUA ALTEZA REAL

servo mais fiel e mais obediente,

HENRY SALT


Londres, 9 de Julho de 1814.



CONTEÚDO.




CAPITULO I.
Partida da Inglaterra — Chegada à Madeira — Passagem pelo Cabo da Boa Esperança - Breve relato da Sociedade naquele Assentamento — Melhorias introduzidas na Colônia pelos ingleses — A Missão do Sr. Cowan no Interior — Acidente que ocorreu para retardar o navio — Comboio liberado — Partida — Observações no Canal de Moçambique — Excursão em busca de Sofala — Chegada na Ilha de Moçambique — Recepção do Governador Português — Seu Porto, Fortes, meios de defesa — Inquéritos após a festa do Sr. Cowan — Visita a Mesuril no continente — Excursões daquele lugar — Descrição do Monjou — Observações relativas à exportação de escravos — Fidelidade das tropas nativas — Ferocidade do Makooa — Suas incursões na Península do Cabaceiro — Traje — Maneiras — Hábitos — Alguns relatos das tribos adjacentes a Moçambique e sua amizade com os portugueses — Descrição de Mesuril e seus arredores — Maneiras dos fazendeiros — Península do Cabaceiro — Variedade de Produções Marítimas na Costa - Retorno a Moçambique.

p. 13


CAPITULO II.
Relato histórico dos assentamentos de Moçambique — Ignorância dos antigos geógrafos que respeitavam a Costa — Relato inicial de um autor árabe — Submissão e expulsão dos colonos originais e estabelecimento do poder pelos portugueses — Suas tentativas de subjugar o Interior, confundidos pela prudência e vigilância dos nativos — Ataque aos assentamentos em 1589 por Muzimbo (supostamente Galla — Fracasso de todos os esforços para converter os nativos à fé católica. Descrição do estado atual dos Assentamentos no rio Zambeze — Quilimanci — Tète — Sena — Manica e as Minas de Ouro — Modo de continuar o comércio com os nativos no interior — Jurisdição dos portugueses ao longo da costa — A suposta importância desses Assentamentos — Sua conseqüente decrescente importância — Seu presente estado degradado — A perspectiva desencorajadora de suas conexões externas — Uma descrição dos Marati ou piratas de Madagascar — A ferocidade incomum deste povo — Suas excursões contra as ilhas Comoro e Querimbo — Consequências da abolição inglesa do tráfico de escravos sobre o comércio de Moçambique — Seu comércio atual — Partida do Mariano para o Mar Vermelho.
p. 52
CAPITULO III.
Viagem ao longo da costa — Relatório sobre as ilhas de Zanzebar e Pemba — Aparência estéril e uniforme da costa acima de Mugdasho — Sondagens ao sul do Cabo Bassas — Descrição dos Cabos D'Orfui e Gardafui — Excursão na Costa perto do ponto Somali — Observações relativo a esta viagem, como aplicado à teoria que respeita Ophir pelo Sr. Bruce — Chegada a Aden — Observações que respeitam esse lugar — suas Ruínas — Torres Antigas — Aqueduto — Plano para tornar a Bahia Back segura contra um Inimigo — Viagem a Lahadj — Entrevista com o sultão do país — Descrição de seu território e caráter de seus habitantes — Retorno a Aden — Efeitos Singulares da Atmosfera produzida pela Refração — Caráter dos Banianos — Viagem de Aden para Mocha — Residência na Fábrica — Resumo de ocorrências no Iêmen desde 1805 — Preparações para a jornada Abissínia — Delegação do Sr. Stuart, a serviço da Associação Africana, para Zeyla, com a intenção de que fosse para Hurrur e Efat — Partida de Mocha para a Costa Abissínia.

p. 75


CAPITULO IV.
Viagem pelo Mar Vermelho de Moca — Ancoradouro em Rackmah — Atos em Ayth — Continuação da Viagem a Amphila — Inteligência recebida lá — Fracasso de uma tentativa de se comunicar com a Abissínia por um mensageiro que eu tinha enviado de Mocha — Conduta atroz do Nayib e Aga de Massowa — Carta enviada por esses chefes às Tribos Danákil — Seus Efeitos — Conferência com Alli Manda, um jovem chefe da tribo de Dumhoeta — Sua partida com cartas para o Ras Welled Selassé — Descoberta de um porto seguro na Baía de Amphila — Comunicações com Alli Govéta e outros homens importantes na Costa — Regresso de Alli Manda — Cartas do Sr. Pearce — Resoluções em conseqüência — Conferência com os principais homens das Tribos — Chegada de um mensageiro de Massowa — Determinação de prosseguir para aquele lugar — Segundo despacho para a Abissínia — Descrição da Baía de Amphila — da Costa — Maneiras, Vestuário e Costumes das Tribos que a habitam — Partida de Amphila.

p. 112

CAPITULO V.
Observações sobre a costa ao norte de Amphila — Sarbo — Baía de Howakil — Ilha do mesmo nome — Comunicação com seus habitantes — Excursão para Arena — Descoberta da Pedra Opsiana — Visita à ilha de Buckah — Ancoragem em Adjuice — Viagem a Massowa — Aparecimento notável no mar — Sua causa — Barreira perigosa perto da Ilha Valentia — Chegada a Massowa — Destacamento abissínio enviada pelo Ras — Relato do Sr. Coffin da viagem de Amphila a Chelicut — Aparecimento alarmante de uma tropa de bois vinda de Jidda — Visita de Mahomed Jelani — Preparativos para nossa jornada ao interior — Partida de Massowa — Parada em Arkeeko — Características de seus Habitantes — Partida de Arkeeko.

p. 147


CAPITULO VI.
Viagem da Costa — Chegada a Wéah — Em Hamhammo — Descrição de Shura Hummar, um chefe de Hazorta — Acampamento em Leila — Dança de Hazorta — Ponto perigoso da estrada chamada Assuba — Cena singular que ocorreu ali — Chegada ao fundo de Taranta — Razões para preferir a estrada por Dixan — Disputa desagradável entre os atendentes de Hazorta e nosso Abissínio — Descrição de uma cena curiosa que se seguiu — Ascensão de Taranta — Vistas de seu cume — Mudança de estações — Chegada a Dixan — Conduta amistosa do Baharnegash Yasous — Breve descrição da cidade e de seus habitantes — Partida dali — Planície de Zarai — Aldeia de Ambakauto — Assassinato de um de nossos assistentes — Procedimento a seguir — Marcha para Abha — Recepção inóspita que nos foi dada pelo Subhart Baharnegash — Seu caráter — Alarmante cena no Logo Seremai — Descrição de Baharnagash Arkoe e seguidores — Chegada a Legóte — Observações a respeito da montanha de Devra Damo — Kella — Rio Anguesh — Residência de Ayto Nobilis perto de Adowa — Visita a Ozoro Asquall — Viagem a Mugga — Tempestade de trovão — Comportamento rude dos habitantes de Mugga — Descida a Gibba — Descrição dos bois Sanga ou Galla — Partida de Gibba — Chegada a Chelicut — Recepção gentil que nos deu o Ras.

p. 174

CAPITULO VII.
Impossibilidade de procedimento em Gondar — Entrega da Carta e dos Presentes de Sua Majestade — Seus efeitos nas mentes do povo — Situação precária dos assuntos na Abissínia — Narrativa das Ocorrências do Sr. Pearce durante sua estada no país — A negligência que ele encontrou depois da minha partida — Sua conduta durante a Rebelião em Adowa — Retorno a Antálo — Discussão com o Ras — Determinação de avançar para o Interior — Jornada para Lasta — Descrição do Wojjerat — Tribos, chamadas Doba — Assubo Galla, embaixo de Welled Shabo — Lago Ashangee — Montanhas de Lasta — Senaré — Visita às fontes do Tacazze — Determinação para prosseguir para Samen — Viagem ao longo dos bancos do Tacazze — Descrição dos Aguros — Subida das montanhas de Samen — Chegada a Inchetkaab — Entrevista com Ras Gabriel, o governador da província — Sr. Pearce atacado por oftalmose — Perda infeliz de seus documentos — Retorno à Ras — Recepção em Antálo — Partida com o exército de Ras contra os Galla — Retirada de Gojee, seu chefe — Progresso do exército através de Lasta — Batalha Desesperada com os Galla nas Planícies de Maizella — Vitória sobre eles — Conduta corajosa do Sr. Pearce — Avanço do exército nas Planícies dos Edjow — A incursão dos Warari, (ou saqueadores) — Uma prática bárbara entre eles, testemunhada pelo Sr. Pearce — Entrevista do Ras com um chefe chamado Liban — Visita a Jummada Mariam — Retorno a Antálo — O Sr. Pearce se levanta em favor da Campanha do Ras de 1808, contra alguns distritos rebeldes — Paciência singular de um inimigo — Avanço do Exército em Hamazen — Caçada ao elefante — Retorno a Adowa — Chegada de cartas do capitão Rudland em Mocha — A Jornada do sr. Pearce até a Costa — Transações durante um mês de estadia em Madir — Numerosas dificuldades e perigos que o Sr. Pearce encontrou — Seu retorno a Antálo — Sua situação na minha chegada.

p.207


CAPITULO VIII.
Características do Ras — Breve esboço de sua vida — Modo de gastar nosso tempo em Chelicut — Alguns relatos de Kasimaj Yasous e sua irmã Ozoro Mantwab — Recordações sobre o Sr. Bruce na Abissínia, por um homem instruído chamado Dofter Esther — Observações gerais com respeito aquele viajante — Viagem ao Tacazze — Alguns relatos de Chelika Negusta — Antálo — Cáli — Agora — Características de Guebra Mehedin — Província de Avergale — Descrição dos Aguros — Imagens das montanhas de Samen — Planícies selvagens em abundância no jogo — Rio Arequa — Mudança de clima e cenário à medida que a comitiva continua a descer — Chegada ao Tacazze — Disparo do hipopótamo — Medo extraordinário do crocodilo deixa entretido os abissínios — Retorno a Chelicut — Visita do Ras — Conferência realizada com ele — Saída de Antálo — Cavalaria abissínia — Termino da Quaresma — Festa no dia seguinte — Divertimentos dos Abissínios — Breve relato da Shangalla — A Partida do Ras, em nosso retorno a Chelicut .

p. 252

CAPITULO IX.
Chegada a Chelicut — Batismo de um menino de Musselmann — Maneira de administrar a sagrada comunhão — Visita do sumo sacerdote — Latitude e longitude de Chelicut averiguadas — Partida daquele lugar — Alguns relatos do principal pintor do Ras, e observações sobre a arte abissínia — Visita ao chefe da Giralta — Passagem de Atbara — Chegada ao Abba Tsame — Caráter de Palambaras Toclu — Viagem a Adowa — Excursão a Axum — Descrição de suas ruínas — Inscrição íiópica — Revisão da inscrição grega que descobri em minhas viagens anteriores — Poucas observações gerais relacionadas a ele — Retorno a Adowa — Doenças prevalentes na Abissínia — Funerais dos nativos — Descrição do Toscar — Comércio e conseqüência de Adowa — Viagem à costa — Ruínas de um mosteiro no Abba Asfé, perto do rio Mareb — Parte de uma antiga inscrição etíope encontrada lá — Viagem a Dixan — Conta de alguns viajantes de Darfoor — Descida da montanha Assauli — Partindo com o Baharnegash Yasous — Chegada em Massowa — Eventos que ocorreram naquele lugar — Seu ofício [1] — Algumas particularidades sobre a antiga cidade de Adulis — Partida para Mocha — Chegada segura àquele lugar.

p. 299

CAPITULO X.
Alguns relatos história antiga da Abissínia; seus habitantes descendem de tribos aborígenes de etíopes — Sua conversão ao cristianismo - A conquista do Iêmen pelo imperador Ameda — Lista dos soberanos que reinaram na Abissínia — Tentativas dos portugueses de introduzir a religião católica romana — Seu fracasso — Aviso dos diferentes viajantes que desde então visitaram o país — Seu estado atual — Observações Finais — Partida de Mocha — Tempestade no bairro de Socotra — Chegada a Bombaim — Partida dali e retorno a Inglaterra.

p. 353

  1. Posteriormente foi colocado no Apêndice Nº. V.


APÊNDICE.


Apêndice Nº I
Vocabulário dos dialetos falados pelas diferentes tribos dos nativos que habitam a costa da África, de Moçambique até a fronteira do Egito, além de alguns outros falados no interior desse continente.

p. 395


Apêndice Nº II
Indicações para entrar no porto de Moçambique.

p. 418


Apêndice Nº III
Um breve relato de uma viagem feita na Etiópia, pelo padre Remédio da Boêmia, Martino da Boêmia e Antonio de Aleppo, da Ordem de "Minori Reformati" de São Francisco, e dos missionários "da Sociedade de Propagação da Fé", no Egito.

p. 419

Apêndice Nº IV
Zoologia da Abissínia.

p. 426


Apêndice Nº V
Traduções dos relatos de Ibn'al Wardi e Marco Polo sobre a Abissínia . Observações diversas sobre o Massowa; e alguns detalhes sobre o comércio de Zeyla e Mocha.

p. 447