Abrir menu principal

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo/CXIV

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo por Garcia de Resende
Do principio do casamento do principe Dom Afonso com a princesa Dona Isabel, e das grandes festas que se fezeram na cidade d' Evora


Por que as guerras passadas antre os reys e reynos de Portugal e Castela se acabassem, por serviço de Deos e bem dambos os reynos, foy feyta e assentada paz perpetua per meo da senhora ynfanta Dona Breatiz, antre os ditos reys e reynos e socessores delles, por ser pessoa que tanta licença tinha em ambos que era mãy da rainha Dona Lianor nossa senhora e tia da raynha Dona Isabel de Castela yrmã da rainha sua mãy, a qual paz se fez no ãno de mil e quatrocentos e setenta e nove. E pera mayor firmeza e segurança, foy concertado e jurado casamento antre o principe Dom Afonso e a princesa Dona Isabel, que ao tal tempo eram infantes por ser em vida d' el-rey Dom Afonso. E por nam serem entam de ydade pera logo poderem casar, se assentou e concertou que fossem ambos postos em terçaria na villa de Moura que he junto do estremo, em poder da dita ynfanta Dona Breatiz que os ahi avia de ter a grande recado como teve. E depois da morte d' el-rey Dom Afonso por consentimento dos reys seus padres, por causas justas que pera ysso teveram, sayram o principe e ynfanta da dita terçaria com algũas condiçoẽs que conformavam a dita paz e amizade; antre as quaes como atraz fica dito foy hũa que chegando o principe à hidade de quatorze ãnos, estando entam a dita infanta Dona Isabel por casar que casassem ambos. E porque a este tempo o principe entrava em quinze annos e a ynfanta nam era casada, desejando el-rey acabar o dito casamento, mandou sobre ysso a Castella por embayxadores Fernão da Silveira condel-mor e regedor da Casa da Sopricaçam, o doutor Joam Teixeyra chançarel-mor destes reynos, e por secretario da embayxada Ruy de Sande, que depois foy Dom Rodrigo de Sande que jaa sobre ho dito casamento fora aos ditos reys e o deyxara bem concertado. Ha qual embaixada foy muito honrradamente com muytos fidalgos muy galantes e ricamente ataviados e partio da cidade d' Evora no começo do mes de Março. E a requerimento da raynha de Castella levavam o principe tirado polo natural, que era o mais fermoso e gentil homem que no mundo se sabia. El-rey e a raynha de Castella e o principe seu filho, a princesa e infantes e toda a corte estavam na cidade de Sevilha. E tanto que a dita embaixada partio, el-rey como virtuoso e catolico principe, porque o principal de seus fundamentos era no serviço e amor de Deos, mandou logo com grande devaçam muytas esmollas a todolos moesteiros e casas virtuosas do reino, encomendando muito a todos que em suas orações, jejuns e obras meritorias pedissem a Deos que no dito casamento fizesse o que mais fosse seu serviço e bem destes reynos, e que nam deixassem de fazer as ditas devações atee se ho dito casamento acertar, ho que se fez muy inteiramente com muyto amor e devaçam.

E hos ditos embayxadores chegaram aa cidade de Sevilha, e foram per todolos grandes da corte, do reino e da cidade recebidos com tanta honrra e cerimonias, quanto atee entam nunca foram recebidos embayxadores de nenhum rey. E assi lhe foram feytas outras muytas honrras e favores de honrrados apousentamentos, presentes, e visitações. Em que craro se via ho muyto prazer e contentamento que todos em geral e espicial com sua yda tinham. Ho que muyto mais viram nas proprias pessoas d' el-rey e da raynha, quando os embayxadores lhe deram sua embayxada, cuja substancia era requerem e concordarem o dito casamento. Que logo sem duvida nem dilaçam algũa se concordou; e logo ho dito Fernam da Silveyra que pera ysso levava suficiente e abastante precuraçam, em nome do principe per palavras de presente como manda a Sancta Madre Ygreja de Roma recebeo a dita princesa Dona Isabel por sua molher, per mão do cardeal Dom Pero Gonçalvez de Mendoça, perante el-rey e a raynha, o príncipe e infantas suas yrmãas, e muitos e grandes senhores com muyto grande solenidade, o domingo da Pascoella a noyte deste anno de mil e quatrocentos e noventa; na qual noite e outros dias seguintes ouve em Sevilha muito grandes e sumptuosas festas de momos e justas reaes, em que el-rey justou e foy mantedor, e assi justaram muitos grandes e pessoas principaes e ouve outras muytas e grandes festas.