Abrir menu principal

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo/LVII

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo por Garcia de Resende
Da mudança que el-rey fez no escudo real de suas armas e das novas moedas que mandou fazer.


Em Beja teve el-rey conselho sobre as moedas novas que avia de fazer, e ainda nam tinha feytas, pera as quaes anovou e ordenou algũas cousas no real escudo de suas armas. E a primeira mudança, foy que tirou do dito escudo a cruz verde da hordem d' Avis, que nelle por grande erro como parte d' armas substanciaes andava jaa encorporada, porque el-rey Dom Joam o primeyro seu visavoo ante que devidamente e por authoridade apostolica se yntitulasse rey dos reynos de Portugal, e do Algarve era mestre d' Avis. E depois de ser rey tomou por devaçam da hordem assentar o escudo das armas de Portugal sobre a cruz verde com as pontas dela fora do escudo na bordadura, como ainda em suas obras e muy excelente sepultura no Moesteyro da Batalha oje em dia se vee. E depois por descuydo ou pouco aviso dos reys d' armas andou assi muyto tempo em vida d' el-rey Dom Duarte, e d' el-rey Dom Afonso; e por tirar isto que parecia mal, el-rey a mandou entam tirar de todo fora. E assi mandou mudar os cinco escudos de dentro, porque os dous das ilhargas andavam atravessados com as pontas debayxo pera o do meyo que parecia cousa de quebra, e os pôs todos dereytos com as pontas pera baixo da maneira em que agora andam.

E neste anno e tempo se intitulou el-rey primeiramente em seu titulo senhor de Guinee como agora anda.

E assi fez neste ãno de oytenta e cinco no mes de Junho as primeiras suas moedas, s.: moeda d' ouro, a que chamou justo e era de ley de vinte e dous quilates e de peso de seiscentos reys, e tinha de hũa parte o escudo real dereyto com letra derredor do nome e titulo d' el-rey, e da outra parte el-rey armado de todas armas assentado em cadeira real e o ceptro na mão, e a letra dezia: “Justus sicut palma florebit”. E assi mandou fazer outra moeda d' ouro que se chamava espadim, que era da ley dos justos e da metade do preço e peso delles que era trezentos reaes e tinha de hũa parte o escudo real com o nome e titulo d' el-rey, e da outra hũa mão com hũa espada nua com a ponta pera cima e por letra derredor: “Dominus protector vitae meae a quo trepidabo?”; e estes espadins mandou fazer deste nome por devaçam e lembrança da conquista d' Africa que sempre com a espada na mão se fez e prossegue por honrra e exalçamento da fee de Jesu Christo. Fez tambem vintens e meos vintens de prata e cincos de ley de onze dinheyros, e de preço de vinte reaes, e de dez, e de cinco, e fez outros espadins de cobre da feyçam e grandura dos de ouro e eram prateados de preço de quatro reaes. E assi deu novo crecimento aa valia da prata que mandou geralmente que valesse o marco dahi em diante a dous mil e duzentos e oytenta reaes e a este preço se fezeram os ditos vintens. E assi se lavravam em seu tempo mais que outra nenhũa moeda os cruzados da propia ley e peso que ora sam, porém valiam a trezentos e noventa reaes cada hum; que os dez reaes de mais com que ora tem valia de quatrocentos, el-rey Dom Manuel que sancta gloria aja lhos acrecentou na valia no anno de quinhentos e dezassete. E em tempo d' el-rey valendo a trezentos e noventa eram tantos em todo o reyno que davam por cambar hum cruzado cinco reaes e ficavam em valia de trezentos e oitenta e cinco, e avia no reyno em todalas cidades e villas principaes cambadores que ganhavam muito nisso, os quaes agora nam há porque dam pollos cruzados quem os há mester a quatrocentos e dez reaes.