Abrir menu principal
A Divina Comédia por Dante Alighieri, traduzido por José Pedro Xavier Pinheiro
Paraíso, Canto XXXI


Enquanto Dante contempla a rosa do Paraíso, Beatriz sobe e vai ocupar o lugar que lhe pertence, no meio dos bem-aventurados. S. Bernardo é o último guia de Dante. Ele lhe indica a Virgem Maria, toda brilhante de luz celeste.

Forma assumindo de uma branca rosa,
Tinha ante os olhos a milícia santa,
Que em seu sangue fez Cristo sua Esposa.

A outra, que, adejando, vê, decanta
Do Onipotente a glória, que a enamora,
E a bondade, que deu-lhe alteza tanta,

Bem como abelhas, cujo enxame agora
Nas flores se apascenta, agora torna
À colmeia, onde os favos elabora,

Descia à flor imensa que se adorna
De folhas tantas, e depois subia
Ao centro, onde o amor seu sempre sojorna.

Nas faces viva flama refulgia,
Nas asas ouro, em tudo mais alvura,
Que a candidez da neve escurecia.

De sólio em sólio entrando na flor pura
E as asas agitando, derramavam
Ardor e paz, colhidos lá na altura.

As multidões aladas, que giravam,
Ao Senhor se interpondo e à flor brilhante,
Nem vista, nem splendores atalhavam,

Que a luz divina cala penetrante
No universo, segundo ele merece;
Nada lhe empece o brilho triunfante.

O gaudioso império, onde aparece
A par da grei antiga a grei recente
De olhos, de amor num fito se embevece.

Trina luz, que, num astro unicamente,
Fulgindo, alma lhes tens inebriada,
Conosco nas procelas sê clemente!

Se os Bárbaros, da terra enregelada
Vindos, que Hélice cobre cada dia
No seu giro, do filho acompanhada,

A pompa ao ver, que a Roma enobrecia,
Pasmavam, quando já Latrão famoso
Do mundo as maravilhas precedia;

Da terra eu ido ao trono luminoso,
Exalçado do tempo à eterna vida
E de Florença ao reino virtuoso,

Quanto havia de ter a alma transida!
Nem ouvir, nem falar apetecera:
Tanta alegria ao passo estava unida!

Bem como o peregrino considera
O templo, a que seu voto o conduzira,
E o que vê recontar, tornando, espera,

Na ardente luz a minha vista gira
De degrau em degrau, e agora acima,
Abaixo logo e em derredor remira.

Rostos eu vi, que a caridade anima
Com lume divinal; seu doce riso
Por suave atrativo se sublima.

Sem deterem-se mais do que o preciso,
Os olhos meus haviam rodeado
Em sua forma geral o Paraíso:

Vivo desejo em mim stando ateado,
A Beatriz voltei-me; ter queria
A solução do que era inexplicado

Ao que eu pensava o oposto respondia:
Nos gloriosos trajos de um eleito,
Em vez de Beatriz, um velho eu via.

Nos olhos transluzia-lhe e no aspeito
Alegria beni?na e o continente
De pai era, à ternura sempre afeito.

— “E Beatriz?” — exclamo eu de repente.
Tornou-o: — “Baixar me fez do meu assento
Por contentar o teu desejo ardente.

“Verás, do cimo ao círc?lo tércio atento,
Beatriz nesse trono colocada,
Que lhe há dado imortal merecimento.” —

Olhos alçando, à Dama sublimada,
Divisei que de c?roa era cingida,
Da eterna luz, em refração, formada.

Da região etérea a mais subida
Vista mortal, no pego profundando,
De tão longe não fora dirigida,

Como olhos meus, em Beatriz fitando.
Via-a, porém: a efígie livremente
Descia a mim do vulto venerando.

— “Senhora! Esp?rança minha permanente!
Que não temeste, por me dar saúde,
Teus vestígios deixar no inferno horrente!

“De tantas cousas, quantas eu ver pude
Ao teu grande valor e alta bondade
A graça referir devo e virtude.

“Sendo eu servo, me deste a liberdade,
Pelos meios e vias conduzido,
De que dispunha a tua potestade.

“Seja eu do teu valor fortalecido,
Porque minha alma, que fizeste pura
Te agrade ao ser seu vínculo solvido.” —

Desta arte orei. Lá da sublime altura,
Em que estava sorrindo-se encarou-me;
Depois voltou-se à eterna Formosura.

— “Por chegares” — o velho assim falou-me —
“Ao termo da jornada, como anelas,
A que seu rogo e santo amor mandou-me,

“Teus olhos voem pelas flores belas:
Eles mais hão-de se acender, no esguardo
Para alçar-se ao divino raio, em vê-las.

“E a Rainha do céu, por quem eu ardo
Cheio de amor, nos há de ser beni?na,
Pois sou seu servo, o seu fiel Bernardo.” —

Como quem da Croácia se destina
A ver Santo Sudário em romaria,
Por fama antiga da feição divina;

Devoto a contemplar se não sacia,
Dizendo em si: “ó Jesus! meu Deus piedoso!
Tal o semblante vosso parecia!”

Assim notei o afeito caridoso
Daquele, que em seus êxtases no mundo
A paz celeste prelibou ditoso.

— “Filho da graça, este viver jucundo
Ser-te não pode” — prosseguia — “noto,
Se os olhos teus não alças cá do fundo.

“Dos círculos atenta ao mais remoto:
Lá no trono a Rainha está sentada;
Seu reino, o céu, lhe é súdito e devoto.” —

O rosto ergui. Bem como na alvorada
A parte, em que o sol nasce no horizonte
Excede a que franqueia à noite entrada,

Assim, quase a subir de vale a monte,
No píncaro eminente parte eu via
Vencer em lume a qualquer outra fronte.

Como lá donde espera-se do dia
O carro, que perdeu Fetonte, a flama
Aumenta e noutros pontos se embacia,

Assim essa pacífica oriflama
Se avivava no meio; e a cada lado
Por modo igual se enfraquecia a chama.

De milhares o centro rodeado
Stava de anjos voando como em festa,
Cada um na arte e no brilho assinalado.

De os ver e ouvir contento manifesta
A Beldade: que extremos de alegria
A outros santos nos seus olhos presta.

Se eu tivera opulenta fantasia
E a eloqüência não menos, desse encanto
Um só traço exprimir não poderia.

No vivo lume e ao ver Bernardo quanto
Os meus olhos, absortos, se fitavam,
Volveu-lhe os seus, acesos de ardor tanto,

Que a mais fervor meu êxtase enalçavam.