Página:Phalenas.pdf/66

– 62 –

«Nem a ardente Castelhana,
Córada ao sol de Madrid,
Belleza tão soberana,
Tão despotica no amor,
Que troca os trophéos de um Cid
Pelo olhar de um trovador.

«Nem a virgem pensativa
Que as margens do velho Rheno,
Como a pura sensitiva
Vive das auras do céo
E murcha ao mais leve aceno
De mãos humanas; tão pura
Como aquella Margarida
Que a Fausto um dia encontrou.

«E muitas mais, e amei todas,
Todas minha alma encerrou.
Foi essa a minha virtude,
Era esse o meu condão.
Que importava a latitude?
Era o mesmo coração,
Os mesmos labios, o mesmo
Arder na chamma fatal....
Amei a todas e a esmo.»