Marános

Marános  (1920) 
por Teixeira de Pascoaes


MARÁNOS


OBRAS DO AUCTOR
em 2.a edição:




SEMPRE—1915.

TERRA PROHIBIDA—1917.

ARTE DE SER PORTUGUÊS—1920.

MARÁNOS—1920.


TEIXEIRA DE PASCOAES





MARÁNOS
2.A EDIÇÃO



PORTO
TYP. EMPREZA GUEDES
242, Rua Formosa, 248


1920


DEDICATORIA




Galiza, terra irmã de Portugal
Que o mesmo Oceano abraça longamente;
Berço de brancas nevoas refulgindo
O espirito do sol amanhecente;
Altar de Rosalia e de Pondal
Iluminado a lagrimas acêzas,
Entre pinhaes, aos zéfiros, carpindo
Maguas da terra e místicas tristezas;
A ti dedico o livro que uma vez,
Embriagado de sombra e solidão,
Compuz sobre os fraguedos do Marão:
Este livro saudoso e montanhez.





INDICE




Pag.
I — Marános e Eleonor 7
II — Marános e a Pastora 19
III — Marános, Eleonor e a Pastora 31
IV — Marános e a Paisagem 41
V — Chegada de Marános á Montanha 53
VI — Marános e a Sombra do Marão 65
VII — Marános e a Saudade 77
VIII — Marános e o Outomno 93
IX — Marános e os Deuses 105
X — Marános, Eleonor e a Saudade 115
XI — Marános, a Saudade e Dom Quixote 129
XII — Anunciação 141
XIII — Os Pastores 157
XIV — A Bôa Nova 175
XV — Marános e a Primavera 181
XVI — O Nascimento 187
XVII — Revelação final 193
XVIII — A Saudade e a Sombra de Marános 205